2015/01/31



baby:
tocar meu ventre perdeu o sentido agora que teus olhos evitam iluminar os meus.

2015/01/26



baby:
dizer nada virou sinônimo de dizer não. hoje não. agora não. tenho não. quero não. vou não. amo não.

2015/01/23

baby:
do lado de cá, vai ficar tudo bem. ainda que não esteja bem. abismos marinhos. suor e sargaço. escuridão e saudade. amanhã? amanhã, não sei.

2015/01/21


baby:
não diz nada. pode sorrir distante. e deixar morrer isso que não reconheces mais.

2015/01/17


baby:
me procuro. lenta. no teu silêncio. sem precisar.

2015/01/14

baby:
por que não escolher o que não presta, se o que presta também não presta? gosto do inacabado, daquilo que, de um jeito torto, arrisca um pequeno voo e cai sem graça no chão.

2015/01/10



baby:
prefiro despistar a lucidez. viver na intimidade de um ser estranho - e, assim, o manter.

2015/01/06


baby:
a galeria sempre vai se ofuscar com a minha presença.

2015/01/03


baby:
bonecas não usam perfume. nem comem chocolates.