2014/07/28


baby:
talvez seja a tristeza de ser só no meio do mundo. pertinho ou distante daqui. não importa.

2014/07/24


baby:
vai me dar razão se eu disser que os telefonemas denunciam a solidão?

2014/07/21



baby:
o fingimento sempre fracassa ao tentar ocupar o lugar da verdade, que rebola seco e esconde seus dentes de jade por pura vaidade.

2014/07/17



baby:
o charme está nesse jeito um pouco triste e sereno no meio do mundo. e a graça, bem, a graça ficou dentro e fora dos teus olhos tristes e cheios de medo de enfrentar o que a vida um dia disse que seria perfeito.

2014/07/14



baby:
sou refém da incompreensão alheia, incluindo a tua. por isso, nada disso importa. as histórias, as brutalidades, as memórias que venho exterminando dia a dia.

2014/07/11



baby:
desconhecida nenhuma é capaz de abalar a minha decência. nem você.

2014/07/09



baby:
de saudade morreu um marujo solitário. entre as amantes.

2014/07/06


baby:
quase pronta para assistir ao almoço da happy family. e procurar algum sentido nos pronunciamentos desconexos depois de entrar, já habituada a passar despercebida, e me juntar à plateia.

2014/07/04


baby:
eu sei que é coisa de professor. e de relações que não se configuram como tal. a sombra que se passou por sonho — e o sacudir dos ombros como o único gesto real.

2014/07/01


baby:
você insiste em mostrar isso que eu insisto em não aprender.